quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Viajar por conta própria

A segunda etapa de nossa viagem foi para a Suíça, e decidimos que esta faríamos sem a ajuda de nenhuma agência, nós escolhemos os hotéis Ibis, tanto pelo custo benefício quanto pela confiança que depositamos na rede Accor.
Ainda na Itália compramos os bilhetes de trem que sai de Milão para Lucerna, decidimos ficar 3 dias nesta cidade e 3 dias em Berna capital da Suíça.
A escolha dos destinos foi feita meio que as escuras, pesquisamos em alguns blogs e buscamos informações com um amigo Suíço, que nos orientou sobre alguns pontos turísticos das regiões.
Como os hotéis eram localizados perto da estação de trem, não precisamos nem pegar taxi, fomos a pé mesmo.
Como nossa estada na Itália foi muito corrida e cansativa, podemos descansar um pouco, acordar mais tarde e curtir os lugares, com mais calma, dava tempo até para nos sentarmos numa cafeteria e jogar conversa fora tomando chocolate quente, humm, que delícia!
 

Ao meu ponto de vista os Prós:

  1. Administração do tempo acordo com o desejado. 
  2. Liberdade para visitar os lugares com calma.
  3. Sem horários determinados para os passeios
  4. Liberdade para a escolha do hotel
  5. Adequação da viagem ao seu orçamento, podendo optar por Hostels ou estadias mais em conta.
  6. Economia em alguns passeios, já que não é necessário pagar pelo guia.

Ao meu ponto de vista os Contras:

  1.  Senti muita falta de um guia, a língua alemã é muito diferente da nossa, então ficamos um tanto deslocados.
  2. Sentimos falta de orientação sobre onde visitar, como comprar os bilhetes para os passeios.
  3. Falta de orientação sobre os horários de funcionamento do comércio de cada cidade por onde passamos.
  4. Falta de um guia para explicar a História dos lugares.
  5. Por não conhecermos bem as cidades, acabamos deixando de conhecer muitas coisas.
  6. Ficamos 3 dias em cada cidade e achamos que foi muito tempo, 2 dias em Lucerna e 2 em Berna seria o suficiente, talvez se tivéssemos fechado com uma agência teríamos um roteiro mais completo.
  7. O traslado até o aeroporto para a volta deve ser feito por taxi ou ônibus, no nosso caso fomos de ônibus, mas tivemos que arrastar as malas por mais de 1 Km.
  8. Ficamos perdidos quanto aos restaurantes.
O que deve definir a contratação de agência ou não, depende muito do perfil do viajante, se você tem pique para aproveitar ao máximo a viagem, num ritmo frenético, mas com a comodidade de não se preocupar com roteiros, não pegar filas e ter todos os passeios com guia em Português, você deve contratar uma agência.
 
Já se você é aventureiro, não se importa de pedir informações, gosta de ter a liberdade para planejar suas viagens, prefere administrar o tempo na viagem e os seus gastos com hospedagem, podendo escolher entre hotéia mais caros ou mais baratos, então você com certeza vai preferir viajar por conta própria, eu só aconselho que mesmo que viaje por conta, busque a ajuda de um guia local que fale sua língua. Isso foi o que mais senti  falta na Suíça
 
ficamos uma semana em cada país e com certeza conhecemos muito mais lugares viajando com a agência, mas podemos aproveitar preguiçosamente a Suíça, então valeu as duas formas.
 
Se eu fizer uma viagem de uma semana a um país farei certamente com uma agência, se a viagem for de 2 semanas ou mais para países diferentes, farei das duas formas novamente.
 
Espero que as dicas lhe ajude a programar sua próxima viajem

Viajar com agência de turismo

Hoje vou abordar um tema polêmico para os viajantes de plantão, alguns blogs que li e também  alguns amigos afirmam que a melhor forma de viajar é por conta própria por ter a liberdade de se adequar o tempo da viagem aos recursos financeiros disponíveis.
 
Em contra partida alguns, defendem a idéia de viajar com uma agência de viagem devido a comodidade, mesmo que para isso as vezes se tenha um gasto maior, já que é a agência que monta os roteiros, e escolhe os hotéis.
 
Em Dezembro/Janeiro, tive as duas experiências e vou colocar aqui  em dois posts, ao meu ponto de vista as vantagens e desvantagens de uma e de outra.
 
Para a Itália fechamos um pacote com a CVC, já haviamos feito outras viagens com essa agência e sempre gostamos  muito, não fechamos o aéreo com eles, pois conseguimos um bom desconto direto com a Lufthansa.
No Aeroporto de Roma uma simpática guia nos esperava e nos conduziu ao hotel, claro que o serviço não é exclusivo, formou-se um grupo e com esse grupo fizemos todos os passeios, o que as vezes pode ser um martírio, porque sempre tem um que atrasa para sair do hotel ou para voltar do passeio, graças a Deus ficamos com um grupo ótimo, com pessoas muito animadas, simpáticas e muito pontuais.
Todos os passeios eram guiados por alguém que falava português, o que facilitou muito na compreensão da história de cada lugar visitado, somente o passeio ao Jardins do Vaticano não fechamos com a agência e fomos por conta, o problema é que a guia falava em Inglês, e eu que sou lerdinha pra entender, acabei perdendo muita coisa.
Há também a facilidade de o guia comprar todos os ingressos para os passeios, assim você evita de ficar nas filas quilométricas que as vezes demoram metade do dia.
Os passeios tem horário de saída e de chegada, o que acaba limitando um pouco, caso você tenha gostado do lugar e queira ficar mais um pouco, terá que se virar para voltar ao hotel, os roteiros são bem corridos, para que o turista conheça a maior quantidade de pontos turístico possível, otimizando assim o tempo, o que torna a viagem bem cansativa.

Ao meu ponto de vista  os prós são:

  1. Translado do aeroporto ao hotel
  2. A agência escolhe o hotel te oferecendo (na maioria das vezes) maior segurança.
  3. Por fechar pacotes com os hotéis as agências conseguem descontos maiores.
  4. Visitas acompanhadas com guias em português.
  5. facilidade de acesso aos pontos, evitando filas.
  6. Dicas de onde comer, que lugares visitar, onde usar o toilete, como evitar golpistas e assaltantes.
  7. Não precisar dirigir.
  8. Fazer novas amizades.
  9. Não ter que se preocupar com o roteiro

Ao meu ponto de vista os contras são:

  1. Viajar em grupo, nesse caso tivemos sorte, as pessoas eram legais, mas pode acontecer de não serem.
  2. Horários para sair para os passeios muito cedo
  3. Roteiro corrido, tornando a viagem bem cansativa.
  4. Seguir o grupo e não ter muita autonomia de onde ir.
  5. Horário para voltar dos passeios, se você gostou muito do lugar e quiser ficar mais, terá que se virar para voltar ao hotel. 
Logo mais conto pra vocês a minha experiência viajando  por conta para a Suíça.







segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Thun Suiça



Este foi o nosso último passeio na Suiça, era um domingo e não haviamos programado esse passeio com antecedência, decidimos na noite de sábado mesmo.
Thum fica entre a capital Berna e  Interlaken, para chegar lá, fomos de trem, a viagem é rápida leva apenas 40 minutos.
Quando chegamos, encontramos a cidade vazia, fomos até o castelo que existe lá, mas estava fechado para visitação, andamos por toda Thum a pé, com o comércio fechado, mas o passeio foi muito agradável, as ruas são limpas e como sempre, o rio Aare que corta a cidade estava impecavelmente limpo, conferindo ainda mais beleza a cidade.
Como não tinha muito o que fazer, então fomos até uma cabine que vendia ingressos para um passeio de barco rumo a Interlaken, mas gente, viajar é uma aventura mesmo e esse passeio realmente foi uma aventura, porque entramos pensando em encontrar uma coisa e encontramos outra.
O barco era um restaurante flutuante, entramos sem saber como funcionava, nos sentamos numa mesa próximo a janela, mas o garçom nos informou que a mesa estava reservada, nos levantamos e ficamos completamente deslocados, como não haviam mais mesas disponíveis, fomos para a parte de fora do barco, e foi ótimo, a vista era maravilhosa, a cada curva, uma nova paisagem, e as margens do rio podíamos avistar alguns castelos, que coisas mais lindas de se ver. O que não contávamos éra com o frio, não fomos tão bem agasalhados assim, então, quase viramos picolé.
Não sabíamos que as pessoas usam esse barco restaurante como transporte, o barco faz paradas em pontos para embarque e desembarque de pessoas, e apenas para em Interlaken, não dando tempo nem para descer do barco.
O passeio dura 4 horas no total, na volta, entramos, nos sentamos e almoçamos, não digo que seja a melhor comida que já experimentei, mas também não era ruim.
Valeu a experiência, valeu pelas paisagens, valeu pelo romantismo, valeu pela comida, e valeu muito, só gostaria de ter aproveitado um tempinho em Interlaken.
 
Pessoal, segue um conselho, se vocês forem fazer esse passeio no inverno e decidirem ficar lá fora, se agasalhem muito, porque o vento é cortante.
 

Rua de Thun

 

Czastelo Thun


Thun

Thun
 
Thun

rio Aare Thum

Thun

Castelo Thun

Rua de Thun

Rua de Thun


Thun








 


 

 

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Nove dicas para encontrar tarifas aéreas mais baratas



A TAM e a Gol, as maiores companhias aéreas brasileiras, garantem: quem faz a compra com antecedência, mesmo quando a data da viagem acontece em um feriado ou durante a alta temporada, paga menos.
Ok. Não deixar a compra para a última hora para não gastar um valor exorbitante com passagens aéreas já é senso comum, mas, além disso, o que mais fazer para viajar com economia?
A reportagem conversou com os especialistas e colheu informações úteis. "As companhias não fazem promoções com, por exemplo, seis meses de antecedência. E só há uma coisa que pode ser pior do que comprar muito antes: deixar para a última hora", garante Leonardo Marques, do site "Melhores Destinos", que monitora tarifas de companhias aéreas há mais de quatro anos.
Veja as dicas abaixo.
Daniele Doneda/editoria arte
Sites e agências que comparam preços entre companhias
decolar.com
submarinoviagens.com.br
viajanet.com.br
viagens.americanas.com.br
skyscanner.com.br
kayak.com.br
hipmunk.com
travelocity.com
edestinos.com.br
Promoções (com saída de São Paulo)
Ida e volta para 12 destinos no Peru a partir de R$ 498, pela TAM; para compras até 25/2
Ida e volta para a ilha de Páscoa, no Chile, a partir de R$ 558, pela Lan; para compras até 25/2
Ida e volta para a Cidade do México a partir de R$ 1.061, pela TAM; para compras até 25/2
Ida e volta para Miami a partir de R$ 1.225, pela Lan; pesquisado em 18/2 para viagem a ser feita em abril
Ida e volta para Boston a partir de R$ 1.396, pela Delta; pesquisa feita em 18/2 para viagem a ser realizada em maio
Ida e volta para Barcelona a partir de R$ 1.451, pela Singapore; para compras até 24/2

Fonte: Folha de São Paulo 21/03/2013

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Berna Capital da Suiça

Saimos de Lucerna Rumo a Berna, fomos de Trem, da estação até o hotel a distância era de mais ou menos 1 KM, fomos á pé, não sei se em toda a Suiça é assim, mas em Lucerna e Berna, as ruas e calçadas são impecáveis, tornando fácil a tarefa de arrastar as malas.

Nos hospedamos no Ibis Hotel, que fica localizado ao lado do estádio de futebol Bern Wankdorf Stadium, ainda que não esteja no centro de Berna o hotel é bem localizado, por ter em frente um ponto onde a cada 5 minutos passam bonde com destino ao centro, o trajeto até lá é curto e em menos de dez minutos você chega ao centro.

Ao observar a arquitetura do centro histórico de Berna temos a impressão de que estamos na era medieval, a história é muito bem preservada, tanto que se tornou patrimônio cultural da Unesco.

Num passeio pelas ruas encontramos enormes calçadões com muitas lojas, é o maior centro de compras da Europa, eu sou super consumista e confesso que em nenhum momento fiquei tentada a comprar nada, moda, definitivamente não é o forte dos Suiços.

O ar medieval da cidade, com seus muitos chafarizes e suas muitas fachadas de arenito, ruas estreitas e torres históricas, possui uma característica única.
O elevado Jardim das Rosas, acima do Fosso dos Ursos, oferecem a melhor vista para o centro histórico, em volta do qual flui o rio Aare. Os pequenos cafés de rua atraem tanto moradores locais quanto turistas. Apesar de Berna apresentar uma excelente rede de transporte público, o melhor mesmo é explorar o centro da cidade a pé.

O que mais me inpressionou foi a "confusão organizada" das ruas do centro, onde circulam pedestres, bondes, carros e bicicletas, todos em perfeita harmonia.

O comércio fecha cedo, ás 17:00 já é noite e se encerram as atividades na maioria dos estabelecimentos, inclusive aos sábados e aos domingos nada funciona, exceto alguns restaurantes.

Ficamos 3 dias na cidade e se eu fosse escrever tudo, daria um livro, então vamos combinar assim, se você pretende conhecer ou se quiser alguma informação só por curiosidade, pode perguntar que será um prazer ajudar.


Rua de Berna
Restaurante de Berna

Batata Rosti



Zit Glock

Calçadão comercial de Berna

Berna

Centro Histórico Berna

Rua de Berna

Adicionar legenda












segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Monte Titlis e Engelberg

Fomos de trem de Lucerna a Engelberg, cidadezinha Suiça muito aconchegante  e pacata, com lindas casinhas em estilo europeu, cobertas por neve, eu acho lindo de se ver.
Chegando na estação compramos o ticket que dá acesso a estação de esqui de Monte Titlis, para chegar até lá tomamos um ônibus circular, que leva e traz do parque gratuitamente.

Claro que estavamos completamente perdidos quanto a vestimentas, antes de viajar pesquisei em outros blogs e alguns diziam que o frio era insuportável, e é mesmo. Marinheiros de primeira viagem são assim mesmo, não tinhamos noção desse frio, também não queriamos investir nessas roupas especiais para neve, porque tem um custo alto e não dá para usar nem no mais rigoroso frio de São Paulo, então fomos assim com a cara e a coragem e para a nossa sorte, há uma loja de locação de roupas e acessórios para a prática de esportes na neve, foi a salvação, digo que com aquelas roupas o frio estava bem suportável.
É muito importante usar roupas e sapatos impermeáveis, caso contrário você vira picolé mesmo, e não esqueça dos acessórios como luvas e gorros, pois se tiver ventando, você ficará mais protegido do frio.

A estação é fantástica, nem meu marido nem eu esquiamos, mas muitas pessoas praticam o esporte, e há pistas para todos os níveis, desde iniciantes até profissionais, e se você é como nós que nem se atreve a tocar no esqui, também há pista para descer de bóia, ou uma espécie de cavalinho de madeira que as crianças adoram.

Há ainda uma caverna de gelo, a sensação de estar lé dentro é muito boa e dá aimpressão de ser mais quente que lá fora.

A subida é feita por teleférico e bondes, eu conheço algumas pessoas que morrem de medo de teleféricos, eu achei a subida super tranquila, apesar da altura do último pico ser 3.020 metros  de altura, vale a pena enfrentar o medo e subir.

Abaixo segue o mapinha do monte e o esquema de subida.

Subindo no Monte Titlis


 calcule o tempo total de viagem em 45 minutos. Todos os bondinhos são acessíveis a cadeirantes. As estações possuem elevadores que facilitam o acesso.

1: Engelberg - Trübsee (20 minutos)
Gôndolas para 6 pessoas (por favor mantenham-se sentados quando chegar a Gerschnialp) que circulam sem parar de 8h30 até 17h15. A última saída para subir o Monte Titlis sai às 15h40.

2: Trübsee - Stand
(5 minutos)
Em Trübsee você deve trocar de teleférico. A subida até Station Stand é feita em uma gôndola com capacidade para 80 pessoas. Opera continuamente de 8h50 a 17h. A última descida para Engelberg sai às 17h.


3: Stand - Titlis
(5 minutos)
Na estação Stand é feita a transferência para o Rotair (capacidade para 80 pessoas), o primeiro bondinho giratório do mundo. Aproveite a vista em 360º até o topo.


Fonte: http://www.titlis.ch/pt/destina_de_esqui/titlis_info/como_chegar/subindo_no_monte_titlis

No inverno anoitece muito cedo por lá, então, para evitar o tumulto da decida, resolvemos descer logo após o almoço, e por falar nisso lá em cima há bons restaurantes e cafés.

Rua de Engelberg

Rua de Engelberg

Teleférico Monte Titlis

Teleférico Monte Titlis

Teleférico Monte Titlis

Monte Titlis

Monte Titlis

Monte Titlis


Teleférico Monte Titlis



Monte Titlis


Ruas de Engelberg


Engelberg


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Luzern suíça

 
Chegamos a Lucerna no dia 02/011/2013, era noite, eu estava muito anciosa, porque nem eu nem meu marido falamos Alemão, ah, também não falamos italiano, mas a língua é bem mais familiar para nós. Não consegui dormir a noite, de tanta ansiedade e de certa forma medo. rs




 
Mas todo esse medo passou logo que saímos do hotel, até a senhorinha do supermercado fala ingles, isso facilitou muito a comunicação.
 
Existem várias casas de chás e cafés, que ficam movimentados a tardezinha. É uma delícia sentar a beira do lago para petiscar alguma coisa e tomar um cafezinho ou chocolate quente, hum...
 
Por incrível que pareça encontramos dificuldade em encontrar restaurantes típicos suiços em Lucerna, a cozinha mais apreciada por eles é a Italiana, existem muitas cantinas por lá.
 
Pelo centrinho, encontramos ruas pacatas com muitas lojas, restaurantes, cafés e lanchonetes a maioria em ruas paralelas ao lago dos Quatro Cantões, lago esse que banha toda a cidade de Lucerna e tem águas transparentes, muito limpas e cheia de pássaros e cisnes brancos.

 
Lago Quatro Cantões Lucerna
 
Mais uma do Lago

 
Lago em Lucerna Alpes ao fundo

 
Lago Lucerna

Mais uma Ponte em Lucerna

 
Ruas de Lucerna

Igreja de Lucerna


Estação de trem Lucerna

 
 

Ruas de Lucerna

É muito agradável estar em Lucerna, a cidade merece muito uma visita.